A ESTRATÉGIA DA OPOSIÇÃO
 

 

PLANO ESTRATÉGICO

Jacy de Souza Mendonça



20/05/2019



Um amigo chamou minha atenção para o que a oposição, em política, está planejando para o nosso futuro. Como se trate de um plano posto em prática em silêncio estratégico, sem estardalhaços, cumpro o dever de atender ao apelo dele chamando a atenção para o fato e suas consequências.

O dia 1º de abril, lembrado sempre como o momento de fazer os outros de bobo, este ano, foi usado sugestivamente por dois Deputados, na Câmara Federal, para protocolarem o projeto de emenda constitucional nº 37/2019, segundo o qual, o Vice Presidente da República em hipótese nenhuma assume mais a presidência em caso de vacância, como prevê hoje o artigo 79 da Constituição. Será necessária nova eleição.

A apresentação de emenda dessa natureza depende da assinatura de um terço dos Deputados. Para que seja aprovada, exige-se o voto favorável de três quintos dos Deputados e dos Senadores, em dois turnos. Apesar dessa aparente dificuldade, o número indispensável à apresentação já foi atingido e, nas condições atuais, não parece impossível que o quórum para as aprovações seja também facilmente obtido.

É evidente o propósito dos autores da proposta: planejam a subsequente apresentação de uma pedido de impeachment do Presidente, mas não desejam que o atual Vice o suceda. Têm já seu candidato.

Não importa discutir aqui, nesse momento, se a medida é boa ou ruim para os brasileiros. Cada um de nós tem suas convicções e todas elas devem ser respeitadas. O importante é que todos saibam qual o propósito final dessa iniciativa e de seus autores. Depois optem pelo que entendam melhor para a nação.

É necessário não ignorar, porém, que esse pode ser o novo caminho para um regime de força.