ALEMANHA: VOLTA DA VELHA E DESGASTADA COALIZÃO
 

 

Union e SPD chegam a um acordo para coalizão

Depois de 24 horas de negociações, a nova edição do programa da aliança Preto-Vermelha está de pé. A repartição dos ministérios também já foi realizada. Falta agora a votação da base do SPD

ZEIT ONLINE

7 de fevereiro de 2018

Depois de longas negociações, Union e SPD concordaram com suas diretrizes e se unirão para a formação de um governo. “O acordo permanece de pé”, foi o que informaram tempos atrás os negociadores. Os integrantes do SPD precisam ainda realizar uma votação.
Anteriormente, havia um racha para se alcançar a repartição dos ministérios. O SPD deve ficar com a incumbência dos Ministérios do Exterior e Finanças, assim como o do Trabalho e Social. Os Ministérios da Justiça e Família devem continuar com seus responsáveis. O CSU deve receber o Ministério do Interior, uma área que deve se valorizar. Aqui, Horst Seehofer, chefe do CSU, é considerado como favorito.

Os social-cristãos ainda tem condições de ficarem com o Ministério do Transporte, o Ministério da Infraestrutura Digital e o Ministério da Cooperação e Desenvolvimento. O CDU prossegue com a chanceler e ainda ganhou os Ministérios da Economia, Defesa e Educação.
Por fim, quanto ao conteúdo das negociações, em especial, estavam a discussão do mercado de trabalho e a política de saúde. A liderança dos social-democratas quer deixar uma marca de sucesso na base nesses setores políticos. Isso não será fácil, pois formou-se dentro do partido, uma grande quantidade de opositores. Eles propagaram para os novos afiliados do partido, o slogan “Diga não ao acordo”.

Só no início do ano, os social-democratas ganharam 24.339 novos afiliados.O resultado da votação dos afiliados do SPD, poderá ser conhecido no fim de semana dos dias 3 e 4 de março. 

Temas controversos

De acordo com a minuta do acordo de coalizão, a qual a imprensa alemã já fez referências, ainda havia outros temas controversos na fase final de negociações. Dentre os temas está a autorização a empresas em realizarem reduções e cortes nas regras da jornada de trabalho, quando estiverem sujeitos a acordos coletivos. Contratos de trabalho por tempo fixado devem estar sujeitos ao limite, segundo a regra, de um tempo de 1 ano e meio, ao invés do limite de 2 anos, assim como o banimento do elo temporário ilimitado.

Na política externa, esteve em jogo, o tema da exportação de armas, assim como as despesas das Forças Armadas e o Auxílio ao Desenvolvimento. O Union quer se aproximar do valor de 2% do PIB em gastos com a defesa, sendo que atualmente está em 1,2%. Para o SPD, a prioridade é estabelecer o valor de 0,7% do PIB em Auxílio ao Desenvolvimento. Em 2016 o valor foi de 0,52%.

As negociações entre CDU,CSU e SPD devem terminar já neste domingo. Elas já foram prolongadas por 2 vezes.

Tradução - Márcio Alexandre: http://www.ma-traducoes.webnode.com/