DIVAGANDO SOBRE O UNIVERSO

 

MARTE

Jacy de Souza Mendonça



O planeta Marte está na ordem do dia, em primeiro lugar pela descoberta de que ele tem água para matar a sede em segundo, por ter se aproveitado da menor distância momentânea da terra para indiscretamente bisbilhotar a lua ruborizada pelo sombreamento. Estes fatos remexeram com a minha memória, trazendo à lume algumas ideias loucas que a povoam.

Casando minha imaginação com a escravização à lógica, de há muito acredito que pode ter havido vida humana em outro(s) planeta(s). Notem, eu não disse que haja vida, mas que pode ter havido. Explico.

Somos um grão de areia em um sistema planetário imenso, interminável, no qual nunca foi possível saber se há ou não outros seres vivos, e provavelmente nunca será dirimida essa dúvida. A faixa em torno de nosso sol (porque sabidamente há outros sóis) na qual gravita teimosamente todos os dias essa pobre terra é a única conhecida até agora onde  é possível a vida humana. O sol é o elemento essencial de nosso sistema: é a misteriosa fonte de energia que possibilita a translação e a rotação dos planetas, assim como a própria vida. Mas, como toda fonte de energia, esta é também decrescente, ou seja, um dia as condições solares de que desfrutamos hoje não existirão mais, trágico momento não previsível com nossos instrumentos atuais de cálculo: não são mensuráveis em dias, semanas, meses, anos, séculos, nem milênios. Mas ocorrerá. Até aqui são dados fáticos.

Vamos abrir agora a página da imaginação. Que poderá ocorrer quando a terra não for mais viável? Não sabemos nem saberemos, mas certo é que, se isso ocorresse hoje, já teríamos condições de utilizar naves espaciais e procurar outros lares habitáveis no sistema solar ou em outro sistema solar. Iríamos nós, ou alguns de nós, à semelhança de Colombo ou Cabral, em busca de novas terras.

Continuemos mergulhados na imaginação: por que não poderá ter isso ocorrido no passado remoto? Por que os primeiros terráqueos não podem ter vindo de outros planetas (não necessariamente de nosso belo e colorado vizinho Marte) empurrados pelas más condições de seus lugares?

A propósito, temos algumas descobertas inexplicáveis até hoje em vários lugares do mundo. São pirâmides, observatórios astronômicos, monumentos megalíticos, cavernas ilustradas... tudo o que encontraria imediata explicação.

Chega de imaginar. Fechemos essa página de encantos e voltemos a nosso vale de lágrimas. Não é hora de procurarmos a nave espacial. Nossa missão no momento não é encontrar novas terras, mas tentar salvar esta que nos acolheu, que é para nós um paraíso, mas que se encontra sob risco, graças à inteligência humana comprometida pela insanidade de alguns humanos.

Em todo o caso, estamos certos de que, na pior das hipóteses, ainda haverá salvação, como pode ter acontecido em um remoto passado.