PELA MUDANÇA DA PODRE HIERARQUIA BRASILEIRA!

 

Mando

Dr. Ronaldo Fontes


Segundo Ortega Y Gasset, mando é uma relação estável e normal entre os homens. Ele nunca repousa na força. Contudo, um homem ou grupo que exerça o mando, detém a força, sendo portanto um exercício normal de autoridade que se fundamenta na opinião pública.

Isto ocorre desde há 10 mil anos até nossos dias.

O mesmo autor afirma que a índole de uma época histórica resulta de duas variáveis que podem ser classificadas em :

Internas- constituídas pelo homem e seu espírito.

Externas- são as formais e necessárias, compreendendo a mais importante entre elas o deslocamento do poder que por sua vez embute o deslocamento do espírito.

Nos últimos 30 anos no Brasil, o mando é exercido por homens cujo espírito é revestido de hipocrisia, traição, e má fé. Modificaram a índole do povo através da associação com forças externas que os financiaram para trair e conquistaram a opinião pública de acordo com os interesses não da pátria, mas de nossos inimigos, deixando o país de joelhos.

Conseguiram, todos esses anos, ter o poder de mando sobre a força e através dele, reduzir criminosamente o poder da força. Um país arruinado economicamente estará arruinado militarmente e consequentemente, todos estarão arruinados,

Hoje, 2017, essa situação sórdida e asquerosa foi desmascarada.

O mando foi despedaçado e as lideranças dos três poderes nesse conluio maldito e espúrio, emergiram do fétido fosso no qual chafurdavam para encarar de frente os irmãos que sofrem com sua traição. Foram cooptados e regiamente pagos e promovidos para construir uma índole que destruiu a alma da nação. 

Portanto, se essas são as lideranças possíveis, não há como deslocar seus espíritos para a um novo mando, pois na esfera humana, espíritos não mudam de corpo, nem com muito ouro. É o que estamos presenciando no momento atual.

Enfim, só existe um caminho: os executores da força devem deslocar o poder de mando para as mãos daqueles que lutam pelo bem comum, cujo espírito é aberto para a fraternidade e desenvolvimento da nação, livres de vaidades tolas, de desonestidade e de ambição pessoal desenfreada.

Qualquer método que seja eficaz para conquista desse objetivo será justo e legítimo, uma vez que a opinião pública reafirma essa mudança de mando. 

A mesma opinião pública que já realizou e consolidou seu trabalho. Muitos, nas sombras, foram perseguidos e ameaçados por esse trabalho de décadas que agora se consolida.

Resta apenas que os responsáveis pela ordem tenham coragem de colocar em prática a função para a qual foram forjados. Aqueles que além da força, possuem espírito de Estado e não os aliados ou submissos a governos corruptos e traidores, ou que possuam dívidas de gratidão por cargos ocupados por indicação.

O Brasil, ajoelhado, já deixou de ser uma nação. Precisa ser resgatado com urgência. 
Coragem !
 

O Autor é Cirurgião Cardio Vascular e Presidente do Instituto Foro do Brasil